Você viu fotos de Chefchaouen por aí e se apaixonou pelos muros azuis com vasos de flores coloridas? Eu sei, foi assim comigo também.

A cidade azul do Marrocos é, ainda, cheia de gatinhos espalhados pelas escadas. Aliás, em todas os lugares que visitei no país, tinham gatos.

Antes de falar sobre as principais atrações de Chefchaouen, vale saber:

  • Ela não tem aeroporto. Mas fica entre Tânger e Fez, dois destinos populares entre os turistas.
  • É pequena, com pouco mais de 37 mil habitantes.
  • A parte turística é basicamente a medina (palavra usada para se referir à cidade velha).

O que ver em Chefchaouen

Dá para conhecer as ruelas azuladas de Chefchaouen em um dia. Mas se você preferir explorar com tranquilidade, dois dias são bem suficientes.

Até passar pelo portão de entrada da cidade velha, você vai perceber que a maioria dos prédios não são azuis. É o branco e o marrom que predominam, com exceção aos “petit táxis” que são pintados de azul.

Já dentro da medina, a parte turística da cidade azul do Marrocos, você vai se deparar com uma arquitetura fofa, influenciada pela região Andaluzia, na Espanha. Como não circulam carros e as ruas são estreitas, a melhor forma de explorar Chefchaouen é a pé.

É só seguir o fluxo do souk (ou mercado ao ar livre) e procurar souvenirs. A quantidade de produtos não é a mesma de Fez, mas ainda assim você vai achar especiarias, óleo de argan e produtos feitos à mão.

As escadarias azuis são os lugares preferidos para foto. Explorar sem muito destino e se aventurar pelas vielas foi a forma que eu achei mais fácil de achar lugares legais para fotos.

Isso porque eu não contratei um guia. Mas se você tiver tempo e dinheiro para investir, pode ser super válido para descobrir a história de Chefchaouen.

Vale dizer que em todos os lugares que li, ninguém aconselha comer nos restaurantes indicados pelos guias. Pois muitas vezes eles indicam o lugar não porque é bom e sim porque ganham comissão para isso.

As principais atrações da cidade azul do Marrocos

Place Outa El- Hamam  

Ela fica na medina, está rodeada de restaurantes e cafés. Na minha visita, à noite, tinha até música ao vivo.

Grande Mosquee

Chefchaouen mesquita

A Mesquita de Chefchaouen não é (ainda) azul. Ela fica na praça que citei acima. Você pode admirar a arquitetura, mas visitações não são permitidas.

Kasbah

É a fortaleza da cidade. Nele está o pequeno Museu de Etnias (ethnographic museum) e um jardim bem bonito, em que é possível ter uma vista legal de Chefchaouen.

O valor da entrada é de 10 dirrã marroquinos (algo em torno de R$ 3,90).

Atrações próximas

Caminhar pelas ruas da cidade azul do Marrocos é mesmo um dos principais atrativos. Mas, se sobrar tempo e você quiser explorar um pouco mais, existem alguns lugares próximos a Chefchaouen.

Ras El Ma

Um passeio popular e próximo da cidade azul do Marrocos é a cachoeira Ras El Ma. Uma parada interessante para quem está de carro ou contratou um tour.

Parc National Talassemtane

Chefchaouen fica em uma região montanhosa, chamada de Rife. Por isso, é comum encontrar tours para hiking, sendo que o destino mais comum é o Parque Nacional Talassemtane.

LEIA TAMBÉM:

Como chegar em Chefchaouen

Como eu comentei no começo do texto, a cidade azul do Marrocos não tem aeroporto. Então, para chegar lá você precisa alugar um carro, pegar ônibus ou mesmo táxi.

Na minha viagem, eu fui de Fez para Chefchaouen de carro. São cerca de 200 km. Porém, como boa parte das estradas eram rurais, o percurso levou três horas e meia.  

Uma dica: sempre obedeça o limite de velocidade, pois existem guardas em todo a estrada de olho na velocidade dos carros. E eles param os carros e podem aplicar multas que são pagas na hora.

Agora, se você preferir fazer o percurso de ônibus, a CTM Bus é a mais usada pelos turistas. Ela tem suas próprias estações e preços atraentes.

É possível comprar passagens pela internet, mas com o mínimo de 72h de antecedência. Se você não tiver planejado e decidir ir para Chefchaouen de última hora, uma possibilidade é encontrar no site o endereço da estação e tentar comprar a passagem no local.

O preço do bilhete de Fez para Chefchaouen custa em torno de 33 reais (85dh), só ida.

Onde ficar em Chefchaouen

No Marrocos é muito comum as acomodações chamadas riads. Elas são casas ou palacetes localizadas na medina. Além disso, costumam ter uma arquitetura tradicional e bem bonita.

Em Chefchaouen eu preferi escolher um hotel a um Airbnb. O motivo é que pela viagem de carro, eu não sabia muito bem o horário que íamos chegar e preferia algo mais prático, sem precisar combinar horário com o anfitrião.

Existem diversas opções, econômicas ou luxuosas no Booking.com, você pode escolher de acordo com seu budget.

Eu fiquei no Dar Sababa. O hotel é bom, conta com banheiro no quarto e oferece um café da manhã completo. Porém os cômodos são bem apertados e o chuveiro do meu quarto não estava esquentando muito.

Independente do hotel que você escolher, se for dentro da medina, você estará bem próximo de tudo a pouca caminhada.

Onde comer na cidade azul do Marrocos

Se você já me acompanha, deve saber que sou vegetariana. Então, eu sempre busco restaurantes com opções sem carne no cardápio.

Em Chefchaouen eu jantei no La Lampe Magique – Aladdin, recomendado em diversos sites de viagem. Ele fica bem próximo da praça central e conta com um terraço com vista para a cidade.

O cardápio tem opções tradicionais, como Tagine e Couscous. O valor de um prato principal é de 50 dh (R$ 20). A comida é boa, não excelente. Foi nesse restaurante que eu comi o mousse de chocolate mais esquisito da minha vida. 😄

marrocos mousse
mousse de chocolate, será?

Quem estiver à procura de um restaurante vegetariano, uma opção é o La Alhambra KITCHEN. Ele tem pontuação 4,7 no Google.

Chefchaouen é segura?

Chefchaouen ruelas

Pela minha experiência, eu diria que sim. Aliás, durante toda minha viagem pelo Marrocos não tive nenhum problema, mesmo deixando o carro na rua durante toda noite.

Chefchaouen é um destino turístico. Por isso, a cidade é sempre movimentada e a maioria dos locais dependem disso para viver. O que significa que eles vão tentar convencer você a todo custo de comprar.

Essa foi minha impressão durante toda a viagem. Não é à toa que os marroquinos são conhecidos por sua grande habilidade de negociação. Porém, o problema é que, na minha opinião, isso acaba sendo um pouco chato. Como turista, você vai ser a todo momento abordado por alguém querendo te empurrar algo e eles são persistentes.

Mas também encontrei pessoas muito simpáticas no caminho. Muitas delas acabam puxando conversa com você nas ruas quando percebe que você é turista.

Vai uma maconha aí?

Antes de ir para Chefchaouen eu não imaginava que as montanhas Rifes são conhecidas por sua plantação de maconha.

Foi uma grande surpresa ser abordada nas ruas por diversos homens oferecendo a droga. Aparentemente, a cidade é um destino procurado apenas pelos seu charme azul, mas também bem comum para quem procura maconha.

Curiosidade: por que Chefchaouen é azul?

Chefchaouen, hoje famosa por ser a cidade azul do Marrocos, teve seus muros pintados há aproximadamente 20 anos.

Ao que parece, no começo, apenas a área em que os judeus moravam era azul. E, depois, toda a medina passou a ser pintada. Já outra teoria diz que a cor ajuda a espantar os mosquitos.

Hoje, Chefchaouen é pintada três vezes ao ano para manter seus diferentes tons de azul impecáveis.

Mas eu diria que a cidade é “meio azul”. Pois, se você estiver em um terraço vai reparar que não é o azul que predomina, ele se mistura ao branco e marrom. Muitos dos muros são azuis em baixo e, em cima, permanecem com outra cor.

Independente do motivo real, a verdade é que as ruelas azuis de Chefchaouen colocaram essa pequenina cidade no mapa.

E você, já foi em Chefchaouen ou quer ir? Deixe sua opinião nos comentários!

Até a próxima! 🌍

Faça parte da tripulação!

Inscreva-se para receber novidades em seu e-mail. Nada de spams 😉

*Esse post não é patrocinado. Se você gostou do conteúdo, faça suas reservas pelos links do texto, assim você me ajuda com um pequena comissão, sem pagar nada a mais por isso, ok? 😉